quinta-feira, outubro 28, 2004

Indeed Gonçalo, i failed deeply!

So the world is very populated! But, as i see it, its not far from here. For that, its an honour to see the growing of this Blog at the SoundTrack of the Melting Pot.

Yes i decide to mix breeds, and here she is; "Aleksandra" from Poland, my great polish friend, which is the new sister of Shakespeare.

As the internationalization is join us all, my hope is that our vision will gather strengths and make all the "sisters" in the world better.

For my friend, "we will allways have Poznan".

quarta-feira, outubro 27, 2004

Mi rollo finlandes...

Olen. Sanon sanan. Maailma on kuuro ja sokea minun olemassaololleni,
ikäänkuin se ei välittäisi minusta, mutta olen täällä. Poljen jalkojani, mutta ilman vaikutusta, ainoa tulos on rikki juomalasi, jonka kapinani aikana olen tuupannut vahingossa villapuseroni hihalla. Joka aamu nousen ylös, peseydyn, kampaan tukkaani, mutta en halua vain hengittää ja tehdä minun elämästäni tavallisen. Haluan olla huomaattava. Parhaiten nauraa se, joka vimeiseksi nauraa.
Leikkasin hiukset koettakseni elää vielä kerran. Annoin odottaa itseäni. Odottaessani otin kiinni kirjaan...

My first steps in this omituinen but incredible language...
For finnish friends
Allu

terça-feira, outubro 26, 2004

Un recuerdo...

"Here comes the women
With the look in her eye,
Raised on the leather
With flash on her mind,
Words as weapons sharper than knives
Makes you wonder how the other half die...

Here come the men
With the look in his eye
Fed on nothing
But full of pride
Look at them go Look at them kick
Makes you wonder how the other half live...

The devil inside
The devil inside
Every single one of us the devil inside..."

Somebody ones lent me this words...and thanks to Him I felt really creative...I have also the devil in my eyes and he is waking up just right now...like the chaos that controlles my mind...

segunda-feira, outubro 25, 2004

There is a light that never goes out...

For Aleksandra with love...


Good-bye! a kind good-bye,
I bid you now, my friend,
And though 'tis sad to speak the word,
To destiny I bend

And though it be decreed by Fate
That we ne'er meet again,
Your image, graven on my heart,
Forever shall remain.

Aye, in my heart thoult have a place,
Among the friends held dear,-
Nor shall the hand of Time efface
The memories written there.
Goodbye,
S.L.C.

Mark Twain

domingo, outubro 24, 2004

Quote

Sempre tive o sonho de puder dizer isto para uma plateia composta. Apesar de não a ter, ainda bem que o sonhei... e fica para uma plateia abonada:

Play it again Sam (Play it once, Sam, for old time's sake. Play "As time goes by.")

É lindo não é amigos ?

quinta-feira, outubro 21, 2004

Catarina





















Woman with Yellow Hair (Femme aux cheveux jaunes) "Pablo Picasso"


Em algum lugar; em alguma parte; Uma mulher, percebe-se. Bela, percebe-se. Alimentada por uma Luz, percebe-se. Os pensamentos, percebem-se. Doente, percebe-se. Mas nada que vá espavorecer os beijos que der...

terça-feira, outubro 19, 2004

E se... vir o fim... ao longe!


Para onde estavas a olhar Jorge? Já sentias que o fim se aproximava?
E são estas as marcas que nos unem, e são estas as marcas que nos cortam? Ainda tenho linhas por preencher e não me sinto bem com o papel semi-vazio, as outras, aquelas que escrevi, alimentam-me a nostalgia ...

Sloppy Kiss


















I cant express no kinder sign of love, than this kind kiss

quinta-feira, outubro 07, 2004

O teu Movimento, a minha ausencia...


Apesar de em ti já não existir... o movimento que provoquei no teu coração... para sempre perpetuado.

sábado, outubro 02, 2004

Volupia


Congraçar-se ao som do mar báltico, paixões instantâneas... rápidas... mas
imensamente agradáveis. Existem sitios que nos acolhem, amizades que são eternas.


O momento...

Sentimentos

O seguinte poema, realça de forma notória aquilo a que podemos chamar a "teoria geral do sentimento". Este é para todos os meus amigos, especialmente para aqueles que, partilharam comigo a sua vida num país distante. (Voçês sabem quem)

"Conheci tipos que viveram muito.
Estão mortos, quase todos: de suicídio, de cansaço,
de álcool, da obrigação de viver
que os consumia. Que ficou de suas vidas?
Que mulheres os lembram com a nostalgia de um abraço?
Que amigos falam ainda, por vezes, para o lado, como se eles estivessem à sua beira?

No entanto, invejo-os. Acompanhei-os
em noites de bares e insônia até ao fundo
da madrugada; despejei o fundo dos seus copos,
onde só os restos de vinho manchavam
o vidro; respirei o fumo dessas salas onde as suas
vozes se amontoavam como cadeiras num fim
de festa. Vi-os partir, um a um, na secura
das despedidas.

E ouvi os queixumes dessas a quem
roubaram a vida. Recolhi as suas palavras em versos
feitos de lágrimas e silêncios. Encostei-me
à palidez dos seus rostos, perguntando por eles - os
amantes luminosos da noite. O sol limpava-lhes
as olheiras; uma saudade marítima caía-lhes
dos ombros nus. Amei-as sem nada lhes dizer - nem do amor,
nem do destino desses que elas amaram.

Conheci tipos que viveram muito - os
que nunca souberam nada da própria vida."

Nuno Júdice


Lógico que não são voçês os que nunca souberam nada da própria vida mas sim os que viveram muito...